segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Nada acontece por acaso


" Schopenhauer, em seu esplêndido ensaio intitulado 'Sobre a aparente intencionalidade no destino do indivíduo', assinala que, quando você alcança uma idade avançada e olha para o tempo de vida que ficou para trás, pode lhe parecer que este teve uma ordem e um plano consistentes, como se concebidos por algum romancista. Acontecimentos que, quando ocorreram, pareciam acidentais e passageiros transformam-se em fatores indispensáveis na composição do enredo. Então, quem compôs esse enredo? Schopenhauer sugere que, assim como os seus sonhos se engendram a partir de um aspecto seu que é ignorado por sua consciência, toda a sua vida é engendrada pela vontade que há em você. E, assim como as pessoas que você teria conhecido por mero acaso transformam-se em agentes importantes na estruturação da sua vida, você também terá servido, sem o saber, como um agente distribuidor de significação às vidas de outras pessoas. O sistema todo movimenta-se e ajusta-se como uma grande sinfonia, em que cada coisa inconscientemente estrutura as demais. E Schopenhauer conclui que é como se nossas vidas fossem as imagens do grande sonho de um único sonhador, em que todos os personagens do sonho sonhassem também; desse modo, tudo se liga a tudo,movido por uma vontade de vida que é a vontade universal da natureza.É uma idéia magnífica. Ela aparece na Índia, na imagem mítica da Rede de Indra, uma rede de pedras preciosas na qual, em cada cruzamento de um fio com outro, há uma pedra refletindo todas as demais. Cada coisa emerge em mútua relação com as outras, de modo que você não pode censurar ninguém por coisa nenhuma. É exatamente como se houvesse uma única intenção atrás de tudo, sempre com algum sentido, embora nenhum de nós saiba que sentido é,nem tenha vido a vida que de fato tencionou viver."

De Joseph Campbell, em "O Poder do Mito".

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Desiderata


DESIDERATA - Do Latim Desideratu: Aquilo que se deseja, aspiração.
Este texto foi encontrado na velha Igreja de Saint Paul, Baltimore:

"Siga tranqüilamente entre a inquietude e a pressa,
lembrando-se de que há sempre paz no silêncio.
Tanto quanto possível sem humilhar-se,
mantenha-se em harmonia com todos que o cercam.
Fale a sua verdade, clara e mansamente.
Escute a verdade dos outros, pois eles também têm a sua própria história.
Evite as pessoas agitadas e agressivas: elas afligem o nosso espírito.
Não se compare aos demais, olhando as pessoas como superiores ou inferiores a você:
isso o tornaria superficial e amargo.
Viva intensamente os seus ideais e o que você já conseguiu realizar.
Mantenha o interesse no seu trabalho,
por mais humilde que seja,
ele é um verdadeiro tesouro na continua mudança dos tempos.
Seja prudente em tudo o que fizer, porque o mundo está cheio de armadilhas.
Mas não fique cego para o bem que sempre existe.
Em toda parte, a vida está cheia de heroísmo.
Seja você mesmo.
Sobretudo, não simule afeição e não transforme o amor numa brincadeira,
pois, no meio de tanta aridez, ele é perene como a relva.
Aceite, com carinho, o conselho dos mais velhos
e seja compreensivo com os impulsos inovadores da juventude.
Cultive a força do espírito e você estará preparado
para enfrentar as surpresas da sorte adversa.
Não se desespere com perigos imaginários:
muitos temores têm sua origem no cansaço e na solidão.
Ao lado de uma sadia disciplina conserve,
para consigo mesmo, uma imensa bondade.
Você é filho do universo, irmão das estrelas e árvores,
você merece estar aqui e, mesmo se você não pode perceber,
a terra e o universo vão cumprindo o seu destino.
Procure, pois, estar em paz com Deus,
seja qual for o nome que você lhe der.
No meio do seu trabalho e nas aspirações,

na fatigante jornada pela vida,
conserve, no mais profundo do seu ser, a harmonia e a paz.
Acima de toda mesquinhez, falsidade e desengano,
o mundo ainda é bonito.
Caminhe com cuidado, faça tudo para ser feliz
e partilhe com os outros a sua felicidade".


Fonte: http://www.luzdegaia.org/oracoes/audio/desiderata.htm

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Em que você acredita?


“Não acrediteis numa coisa apenas por ouvir dizer. Não acrediteis na fé das tradições só porque foram transmitidas por longas gerações. Não acrediteis numa coisa só porque é dita e repetida por muita gente. Não acrediteis numa coisa só pelo testemunho de um sábio antigo. Não acrediteis numa coisa só porque as probabilidades a favorecem ou porque um longo hábito vos leva a tê-la por verdadeira. Não acrediteis no que imaginastes, pensando que um ser superior a revelou. Não acrediteis em coisa alguma apenas pela autoridade dos mais velhos ou dos vossos instrutores. Mas, aquilo que por vós mesmos experimentastes, provastes e reconhecestes verdadeiro, aquilo que corresponde ao vosso bem e ao bem dos outros - isso deveis aceitar, e por isso moldar a vossa conduta”. BUDA

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

As cinco qualidades que aprendi com o lápis



1° qualidade: Você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer
nunca que existe uma Mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade.
2° qualidade: De vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas
no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores,
porque elas o farão ser uma pessoa melhor.
3° qualidade: O lápis sempre permite que usemos uma borracha para
apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos
não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no
caminho da justiça.
4° qualidade: O que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua
forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide
daquilo que acontece dentro de você
E Finalmente a 5° qualidade: O Lápis sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida, irá deixar traços..

(Paulo Coelho)

Então... que cada um aprenda a escrever uma Bela História no Livro da Vida!
:)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

VIVENDO SOB UMA PEDRA



VIVENDO SOB UMA PEDRA

Bob Perks

- Olha isto! Eu não posso acreditar! - Eu disse.
- O que você encontrou?
- Determinação!
- Respondi.

Passei boa parte da tarde do domingo no quintal, limpando o terreno. Eu limpei a área cuidadosamente, a fim de evitar qualquer dano às pequenas e corajosas flores que batalhavam seu caminho em direção ao sol. Nada fora do normal até que movi uma pedra que de alguma maneira apareceu no quintal.

- Esta flor cresceu como uma cobra para achar seu caminho em direção à luz. - Eu disse com assombro.

Era verdade. A pedra tinha aterrissado exatamente num ponto onde todo ano crescia uma flor. Imaginava que ali não haveria meios para que florescesse. Mas floresceu. Quando levantei a pedra, eu achei a flor que tinha crescido num ziguezague incrível até que finalmente encontrou seu caminho. Aquilo prendeu minha atenção por vários minutos.

- Você vai só ficar aí sentado olhando? - Perguntou Marianne.
- Não, estou sentado aqui admirando-a, elogiando-a e sim, ponderando sobre um significado mais profundo em tudo isto.
- Ponderando? Bem, vou lhe deixar ponderando sozinho.
Eis o que descobri:

Aquela flor só podia fazer uma coisa. Tinha que crescer. Era tudo o que foi projetado para sua existência. Tornava-se aquilo para que foi criada.

Não travou uma grande batalha com a pedra e nem desistiu, permanecendo sob o chão só porque algo bloqueava seu caminho normal. Simplesmente procurou um meio de completar sua predestinada viagem. Simplesmente atendeu às expectativas de Deus. Em vez de entregar-se derrotada pela pedra, trabalhou ao redor dela.

Como nós respondemos a tais desafios? Quantas vezes, quando damos de cara com um obstáculo, nós paramos, desistimos, lamentamos e culpamos outros? Se Deus colocou tal força de vontade e determinação numa flor para completar seu propósito, que poderes Ele nos daria?

Você já deve ter visto uma planta crescer do nada no alto de um edifício. Uma erva daninha crescerá onde quer que sua semente seja carregada pelo
vento. As condições não são perfeitas, a terra é precária, mas cresce direitinho onde caiu. Tudo para o qual foi criada está dentro daquela semente. O plano para sua vida toda, o projeto, perfeito e completo, está todo dentro de si mesmo.

Mas eis a melhor parte. Para tornar-se completa, necessitou contar com Deus para tudo o mais: O vento, a água, o sol e a alimentação.

Que coisa incrível! Deus não cria nada sem fornecer tudo o que é necessário para completar Seu plano.

Então, qual é a diferença entre você e uma planta?

A planta não tem nenhuma escolha. Será aquilo para o qual foi criada. Não sabe nada mais. Uma rosa não pode se tornar um cavalo. Mas Deus deu à você o presente da escolha. Talvez você tenha feito as escolhas erradas.

Como uma semente, você tem a razão pela qual foi criado dentro de você e Ele fornecerá tudo o que você necessitar para completar o plano Dele para você.

Se você não sabe disso... você "deve estar vivendo sob uma pedra!"
(Tradução: SergioBarros)

sábado, 4 de setembro de 2010

O Segredo da Verdade



De acordo com uma história antiga, um dia, os deuses decidiram criar o Universo. Criaram as estrelas, o Sol e a Lua. Criaram os mares, as montanhas, as flores e as nuvens. Então eles criaram o Homem. No final, eles criaram a Verdade.

Neste ponto, contudo, surgiu um problema: onde eles deveriam esconder a Verdade de modo que o Homem não a encontrasse de imediato? Eles queriam prolongar a aventura de sua busca.

- Vamos colocar a Verdade no topo da montanha mais alta - disse um dos deuses.

- Vamos colocá-la na estrela mais distante.

- Vamos escondê-la no abismo mais profundo e mais escuro.

- Vamos deixá-la no lado oculto da Lua - sugeriram outros deuses.

Finalmente, o mais sábio e antigo deus disse:

- Não, vamos esconder a Verdade dentro do coração do Homem. Desta forma, ele irá procurá-la por todo o Universo e, quando a encontrar, perceberá que a teve, e a tem, dentro de si o tempo todo.


segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Do lado de cá




Do Lado de Cá
Chimarruts


Se a vida às vezes dá uns dias de segundos cinzas
e o tempo tic taca devagar
Põe o teu melhor vestido, brilha teu sorriso
Vem pra cá, vem pra cá
Se a vida muitas vezes só chuvisca, só garoa
e tudo não parece funcionar
Deixe esse problema a toa, pra ficar na boa
Vem pra cá

Do lado de cá, a vista é bonita
A maré é boa de provar
Do lado de cá, eu vivo tranquila
E o meu corpo dança sem parar
Do lado de cá tem música, amigos e alguém para amar
Do lado de cá

A vida é agora, vê se não demora.
Pra recomeçar é só ter vontade de felicidade pra pular

Do lado de cá, a vista é bonita
A maré é boa de provar
Do lado de cá, eu vivo tranquila
E o meu corpo dança sem parar
Do lado de cá tem música, amigos e alguém para amar
Do lado de cá

Para ouvir a música: http://www.youtube.com/watch?v=wwgXJzapsak

(Essa música é muito fofa... adorooo....)
Beijinhosss,
Gabi

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Não Corra Atrás das Borboletas



Gente... esse é mais um dos meus quadros... :)
E abaixo segue uma mensagem para refletir, desconheço a autoria mas é muito bonita:


Muitas vezes, passamos um longo tempo de nossas vidas correndo desesperadamente atrás de um amor, de um emprego, de uma casa, de uma amizade... E não conseguimos!

Será que não conseguimos mesmo ou não percebemos os sinais que recebemos... de que ainda não estamos prontos!
Preste atenção nessa mensagem sobre borboletas... ela vai te ensinar muito.

"Não corra atrás das borboletas.
Cuide de seu jardim e elas virão até você!"
Devemos compreender que a vida segue seu fluxo e que ele é perfeito.

Tudo acontece no seu devido tempo.
Nós é que nos tornamos ansiosos e estamos constantemente querendo empurrar o rio.
Calma...

O rio vai sozinho, obedecendo o ritmo da natureza...
Se passarmos todo o tempo desejando as borboletas e reclamando porque elas não se aproximam da gente, mas vivem no jardim do nosso vizinho, elas realmente não virão.

Mas, se dedicarmos a cuidar do nosso jardim, a transformar o nosso espaço, a nossa vida, num ambiente agradável, perfumado e bonito, será inevitável...
As borboletas virão até a nós...

Dê o que você tem de melhor e a vida lhe retribuirá.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Saúde Mental Radiante





De acordo com a psiquiatra UMA KRISHNAMURTI, a SAÚDE MENTAL RADIANTE é vivida por pessoas felizes, saudáveis e criativas.
O que promove essa radiância na vida das pessoas?
O AMOR INCONDICIONAL, a CRIATIVIDADE, a AUTONOMIA, o BOM-HUMOR...
Ela diz que "a pessoa inteligente é capaz de minimizar o sofrimento". Assim sendo, é importante se adaptar às situações da vida e aprender com as experiências, procurando ver sempre o lado positivo de todas as pessoas, coisas e fatos.
As pessoas saudáveis irradiam emoções positivas. Ah, como é bom estar perto de pessoas felizes, que transmitem paz e harmonia.
Você sabia que as emoções são mais contagiosas do que os vírus e as bactérias? Por isso, evite ser contaminado por pensamentos e sentimentos negativos. Cerque-se de boas vibrações e energias positivas. Deixe transparecer a sua alegria de viver e procure estar sempre rodeado por pessoas que compartilham emoções positivas!
Alimente sua alma com boas músicas, boas leituras, arte...
Frequente bons locais, converse sobre coisas boas...
Nutra-se de beleza e bem-estar. Faça escolhas conscientes e saudáveis!
Sorria e aproveite...
Viva a Vida!!! :)

Beijinhos,
Gabi

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Amor, Amizade e Paixão...



Já falou-se tanto em Amor, Amizade e Paixão...Que tal falarmos do que não é Amor...
Se você precisa de alguém para ser feliz, isso não é Amor.É carência.
Se você tem ciúme, insegurança e faz qualquer coisa para conservar alguém aoseu lado, mesmo sabendo que não é amado, e ainda diz que confia nessa pessoa, mas não nos outros, que lhe parecem todos rivais, isso não é Amor.É falta de amor próprio.
Se você acredita que "ruim com ela(e), pior sem ela(e)", e sua vida fica vazia sem essa pessoa; não consegue se imaginar sozinho e mantém um relacionamento que já acabou só porque não tem vida própria - existe em função do outro - isso não é Amor.É dependência.
Se você acha que o ser amado lhe pertence; sente-se dono(a) e senhor(a) desua vida e de seu corpo; não lhe dá o direito de se expressar, de ter escolhas, só para afirmar seu domínio, isso não é Amor.É egoísmo.
Se você não sente desejo; não se realiza sexualmente; prefere nem ter relações sexuais com essa pessoa, porém sente algum prazer em estar ao lado dela, isso não é Amor.É amizade.
Se vocês discutem por qualquer motivo; morrem de ciúmes um do outro e brigam por qualquer coisa; nem sempre fazem os mesmos planos; discordam em diversas situações; não gostam de fazer as mesmas coisas ou ir aos mesmos lugares,mas sexualmente combinam perfeitamente, isso não é Amor.É desejo.
Se seu coração palpita mais forte; o suor torna-se intenso; sua temperatura sobe e desce vertiginosamente, apenas em pensar na outra pessoa, isso não é Amor.É paixão.
Agora, sabendo o que não é Amor, fica mais fácil analisar, verificar o que está acontecendo e procurar resolver a situação. Ou se programar para atrair alguém por quem sinta carinho e desejo; que sinta o mesmo por você, para que possam construir um relacionamento equilibrado no qual haja, aí sim, o verdadeiro e eterno amor.
Meu pai disse-me um dia:- Filho... você terá três tipos de pessoa na sua vida:
Um amigo, aquela pessoa que você terá sempre em grande estima, com quem você sabe que poderá contar sempre; que bastará você insinuar que está precisando de ajuda e a ajuda está sendo dada;
Uma amante, aquela pessoa que faz o seu coração pulsar; que fará com que você flutue e nada importará quando vocês estiverem juntos;
Uma paixão, aquela pessoa que você amará, desejará incondicionalmente, às vezes nem lhe importando se ela lher quer ou não, e talvez ela nem fique sabendo disso.
Mas, se você conseguir reunir essa três pessoas numa só - pode ter certeza meu filho: "Você encontrou a felicidade."
(Augusto Schimanski - 1928/1973)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Vivendo e Aprendendo!


"Depois de algum tempo você aprende a diferença,
a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se,
que companhia nem sempre significa segurança,
e começa a aprender que beijos não são contratos,
e que presentes não são promessas.
Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante,
com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança;
aprende a construir todas as suas estradas no hoje,
porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos,
e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo,
e aprende que não importa o quanto você se importe,
algumas pessoas simplesmente não se importam...
aceita que não importa quão boa seja uma pessoa,
ela vai ferí-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais,
e descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la,
e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida;
aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias,
e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida,
e que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que eles mudam;
percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa,
por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas;
pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós,
mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Começa a aprender que não se deve comparar-se com os outros,
mas com o melhor que pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde se está indo,
mas se você não sabe para onde está indo qualquer lugar serve.
Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão,
e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade,
pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute
quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se;
aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas
do que com quantos aniversários você celebrou;
aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha;
aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens;
poucas coisas são tão humilhantes... e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando se está com raiva se tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame
não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode,
pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém;
algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga,
você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido,
o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás, portanto,
plante seu jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores,
e você aprende que realmente pode suportar...
que realmente é forte e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
Descobre que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Nossas dúvidas são traidoras
e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar,
se não fosse o medo de tentar".

William Shakespeare

quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Dança e a Alma...



A dança? Não é movimento,
súbito gesto musical
É concentração, num momento,
da humana graça natural.

No solo não, no éter pairamos,
nele amaríamos ficar.
A dança - não vento nos ramos:
seiva, força, perene estar.

Um estar entre céu e chão,
novo domínio conquistado,
onde busque nossa paixão
libertar-se por todo lado...

Onde a alma possa descrever
suas mais divinas parábolas
sem fugir a forma do ser,
por sobre o mistério das fábulas.


Carlos Drummond de Andrade

domingo, 18 de julho de 2010

Dia do Amigo


Nessa semana vamos comemorar o dia do amigo... você sabia que...

O Dia do Amigo foi adotado em Buenos Aires, na Argentina, com o Decreto nº 235/79, sendo que foi gradualmente adotado em outras partes do mundo.

A data foi criada pelo argentino Enrique Ernesto Febbraro. Ele se inspirou na chegada do homem à lua, em 20 de julho de 1969, considerando a conquista não somente uma vitória científica, como também uma oportunidade de se fazer amigos em outras partes do universo. Assim, durante um ano, o argentino divulgou o lema "Meu amigo é meu mestre, meu discípulo é meu companheiro".

Aos poucos a data foi sendo adotada em outros países e hoje, em quase todo o mundo, o dia 20 de julho é o Dia do Amigo, é quando as pessoas trocam presentes, se abraçam e declaram sua amizade umas as outras...

(Fonte: Wikipedia)

Então aproveite a data para dizer a seus amigos o quanto eles são especiais!!!!

Aos meus amigos e amigas... muito obrigada por fazerem parte da minha vida... amo muito todos de coração :)

FELIZ DIA DO AMIGO ;)

quarta-feira, 7 de julho de 2010

A ARTE DE PARAR



Você já parou hoje?


No nosso dia a dia, estamos tão envoltos de compromissos, trabalhos, horários e tarefas para cumprir, que uma pausa parece ser impossível ou até mesmo desnecessária. Mas, na verdade, parar pode trazer mais disposição para as tarefas cotidianas. É um momento precioso para se pensar antes de agir e assim aproveitar o dia de um modo mais responsável e consciente.
Parar tem o propósito de se tornar mais consciente de si mesmo e de suas intenções. No momento da parada podemos reavaliar nossas escolhas e decidir pelo caminho que realmente queremos. Isso significa sair do “piloto automático” e realmente sentir-se presente e inteiro no aqui e agora.
O sono é um momento de parada no qual “recarregamos nossas baterias”. Após uma boa noite de sono, podemos ter mais energia e vitalidade para enfrentar os desafios do dia.
Durante o dia também podemos dar “pequenas paradas”, para recarregarmos nossas energias, checarmos como estamos nos sentindo e seguir em frente, mais consciente de quem somos e do que queremos.
Parar é recordar, parar é perceber. Parar pode ser importante para notar o mundo a sua volta, as pessoas. Detalhes antes não percebidos podem vir à tona. Você pode lembrar de algo importante, pode perceber algo que nunca tinha notado. E isso não seria possível sem a parada contemplativa.
David Kundtz, autor do livro “A essencial arte de parar”, ensina que há três modos de parar:
Pausas breves: parar por um período curto de tempo, alguns segundos ou minutos. Por exemplo: enquanto está no ônibus, esperando o microondas esquentar a refeição, escovando os dentes etc. O momento de parada pode ser muito simples, e você pode usá-lo no seu cotidiano. Pode ser enquanto caminha, enquanto está no trânsito ou na fila do banco. As paradas breves são as mais comuns. O procedimento consiste em parar o que está fazendo, respirar fundo e prestar atenção em si mesmo. Nesse momento poderão vir lembranças, pensamentos ou imagens a sua mente. Você pode tomar consciência do que está fazendo, dos seus sentimentos naquele momento e até mesmo enviar uma mensagem a si mesmo, por exemplo, encorajar-se: “Eu posso fazer isso”.
Escalas de viagens: paradas de uma hora a vários dias. Pode ser durante uma tarde, dia, ou fim de semana.
Paradas gerais: vão de uma semana a um mês ou mais. Acontecem geralmente em épocas de transição nas nossas vidas. Essas paradas são mais raras e geralmente demandam planejamento prévio.
Seja uma parada grande ou pequena... é sempre importante... Então... pare agora o que você está fazendo. Relaxe, respire fundo e sorria . Muito bem! Tenha um tempo para si mesmo... para relaxar, meditar, contemplar... Cuidar de si mesmo, enfim!

E que tal aproveitar julho, o mês das “férias” para viajar ou dar um passeio bem legal?

Depois você me conta como foi... hehe... Beijos, Gabi

sábado, 3 de julho de 2010

O QUE É O AMOR?


Em uma sala de aula, havia várias criancas; quando uma delas perguntou a professora:

- Professora, o que é o AMOR? - A professora sentiu que a criança merecia uma resposta a altura da pergunta inteligente que fizera. Como já estava na hora do recreio, pediu para que cada aluno desse uma volta pelo pátio da escola e trouxesse o que mais despertasse nele o sentimento de amor. As crianças sairam apressadas e, ao voltarem, a professora disse:
- Quero que cada um mostre o que trouxe consigo.
A primeira criança disse:
- Eu trouxe esta FLOR, nao é linda?
A segunda criança falou:
- Eu trouxe esta BORBOLETA! Veja o colorido de suas asas, vou colocá-la em minha coleção.
A terceira criança completou:
- Eu trouxe este FILHOTE DE PASSARINHO - ele havia caido do ninho junto com outro irmão. Nao é uma gracinha?
E assim as crianças foram se colocando. Terminada a exposição, a professora notou que havia uma criança que tinha ficado quieta o tempo todo. Ela estava vermelha de vergonha, pois nada havia trazido. A professora se dirigiu a ela e perguntou:
- Meu bem, por que você nada trouxe? E a criança timidamente respondeu:
- Desculpe, professora... Vi a FLOR, e senti o seu perfume, pensei em arranca-la, mas preferi deixá-la para que seu PERFUME exalasse por mais tempo. Vi tambem a BORBOLETA, leve, colorida... Ela parecia tão feliz, que não tive coragem de aprisioná-la.Vi tambem o PASSARINHO, caido entre as folhas, mas, ao subir na árvore, notei o olhar triste de sua mãe, e preferi devolvê-lo ao ninho. Portanto, professora, trago comigo: o perfume da flor; a sensação de liberdade da borboleta e a gratidão que senti nos olhos da mãe do passarinho. Como posso mostrar o que trouxe? A professora agradeceu a criança e lhe deu nota máxima, pois ela fora a única que percebera, que só podemos trazer o AMOR NO CORAÇÃO.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Deixe a sua Luz Brilhar



"O nosso medo mais profundo não é o de sermos insuficientes.
O nosso medo mais profundo é o de sermos poderosos além de qualquer medida.
O que mais nos apavora não são as nossas trevas, mas sim, a nossa luz.
Nos perguntamos "Quem sou eu para ser brilhante, lindo, talentoso, fabuloso ?"
Na verdade, quem é você para não ser ? Você é uma criança de Deus.
Você ser pequeno não serve ao mundo.
Não há nada de iluminado em se reduzir para que as outras pessoas não se sintam inseguras perto de você.
Nascemos para levar ao mundo a glória de Deus que está dentro de nós.
E ela não está apenas em alguns de nós, está em todos nós.
Quando deixamos brilhar a nossa própria luz, inconscientemente permitimos aos outros fazer o mesmo.
Quando nos libertamos do nosso medo, nossa presença, automaticamente, liberta também os outros."
(Marianne Williamson)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Flauta Doce

Em épocas remotas o homem aprendia e ensinava a tocar instrumentos musicais feitos por ele mesmo. Transmitiam-se através das músicas belas mensagens de vida.

Não se sabe exatamente quando foi inventada a Flauta Doce, mas sabe-se que ela é um dos instrumentos musicais mais antigos criados pelo Homem.
A flauta doce é um instrumento de sopro direto, onde o som é produzido por um bocal contendo um apito, e um tubo cônico ou cilíndrico contendo diversos furos.
A origem deste instrumento está nos antigos instrumentos folclóricos que ainda podem ser encontrados em diversas partes da Europa hoje. No seu princípio, em tempos mais remotos, ela era feita de bambu ou de madeira.

A flauta doce foi o instrumento musical mais popular na Idade Média. Ela possui um som extremamente melodioso e por isso era muito apreciada. Como os outros instrumentos musicais, a flauta exige o conhecimento de técnicas para executar lindas músicas.

A flauta doce tem seu nome em inglês: RECORDER, que vem do latim RECORDARI que significa lembrar, recordar, trazer à memória. Em italiano a palavra RICORDO também significa lembrança.

Eu admiro e me identifico muito com esse instrumento musical, por isso o escolhi para aprender a tocá-lo. :)


Que a melodia da flauta possa nos trazer doces sonhos, lembranças e esperanças!


Beijos,

Gabi



quinta-feira, 24 de junho de 2010

PAZ INTERIOR: só depende de você!



Conta a lenda que um velho sábio, tido como um mestre da paciência, era capaz de derrotar qualquer adversário.
Certa tarde, um homem conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu com a intenção de desafiar o mestre da paciência.
O velho aceitou o desafio e o homem começou a insultá-lo.
Chegou a jogar algumas pedras em sua direção, cuspiu no sábio e gritou-lhe todos os tipos de insultos.
Durante horas, fez de tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível.
No final da tarde, já exausto e humilhado, o homem se deu por vencido e retirou-se. Impressionados, os alunos quiseram saber como o mestre pudera suportar tanta indignidade. O mestre perguntou:
- Se alguém vem até você com um presente e você não o aceita, a quem pertence o presente?
- A quem tentou entregá-lo - respondeu um dos discípulos.
- Exatamente. O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos. Quando eles não são aceitos, continuam pertencendo a quem os trazia consigo.
Sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma.
Só se você permitir...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

As caixas mágicas

"Deus me deu duas caixas e disse:
- Coloque todas as suas tristezas na preta
e todas as suas alegrias na dourada.
Guardei, nas duas caixas, tanto minhas
alegrias quanto minhas tristezas.
Mas, embora a dourada ficasse cada dia mais pesada,
a preta continuava tão leve quanto antes.
Curioso, abri a preta.
Eu queria descobrir o porquê,
e vi na base da caixa um buraco
pelo qual minhas tristezas saiam.
Mostrei o buraco a Deus:
'Gostaria de saber onde minhas
tristezas podem estar...'
Ele sorriu gentilmente para mim e disse:
- Meu filho, elas estão aqui comigo!
Perguntei:
- Deus, por que deu-me as caixas?
Por que a dourada inteira e
a preta com o buraco?
- Meu filho, a dourada é para
você contar suas bênçãos...
E a preta é para você deixar
ir embora suas mágoas e tristezas..."

Lembre-se sempre de guardar seus momentos mais felizes
e deixar ir embora as tristezas!!

sábado, 19 de junho de 2010

O Jeito Psicólogo de Ser...

Esse é o símbolo utilizado pela Psicologia que corresponde à letra “Psi”, a vigésima terceira letra do alfabeto grego. Ao adicionar a este prefixo o sufixo “Que” formou-se a palavra “PSIQUE”, que significa “alma”. Originalmente, a Psicologia surgiu com um interesse em compreender a alma humana. Posteriormente, o comportamento humano passou a ser considerado o objeto de estudo da Psicologia.


Psicólogo...
...não adoece, somatiza.
Psicólogo não estuda, sublima.
Psicólogo não fofoca, transfere.
Psicólogo não conversa, pontua.
Psicólogo não fala, verbaliza.
Psicólogo não transa, libera libido.
Psicólogo não é indiscreto, é espontâneo.
Psicólogo não dá vexame, surta.
Psicólogo não tem idéias, tem insights.
Psicólogo não resolve problemas, fecha gestalts.
Psicólogo não pensa nisso, respira nisso.
Psicólogo não muda de interesse, muda de figura e fundo.
Psicólogo não come, internaliza.
Psicólogo não pensa, abstrai.
Psicólogo não elogia, reforça;
Psicólogo não é profissão, é estado de espírito!!!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

O DESPERTAR DAS DEUSAS



Palestra e Vivência:
O DESPERTAR DAS DEUSAS
Conheça a Psicologia Feminina através das Deusas da Mitologia Grega

Dia 19/06/10 (sábado) às 16h
Valor: R$ 30,00
Vagas limitadas!

Informações e Inscrições:
Local: ESSÊNCIA CRIATIVA DO SER
Rua 700, n. 265, Bal. Camb. – SC
Tel. 47-3367.6272 Cel. 47-9964.4381
E-mail: ribasgabriele@yahoo.com.br

Facilitadora: Gabriele de Oliveira Ribas
Psicóloga (CRP 12/07419)
Especialista em Arteterapia e Psicologia Transpessoal
Sócio-fundadora da ACAT
(Associação Catarinense de Arteterapia)

Obs* Confirmando sua presença com antecedência, você receberá por e-mail um questionário para identificar a proporção das deusas na sua vida.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Bailarina...



Gente... esse quadro"Bailarina" fui eu que pintei! Gostaram?
Beijinhos, Gabi

***

Bailarina...

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina

Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé

Não conhece nem mi nem fá
mas inclina o corpo para cá e para lá

Não conhece nem lá nem si
mas fecha os olhos e sorri

Roda, roda, roda com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.

(Cecília Meireles)

quinta-feira, 10 de junho de 2010

DESAPEGO: Caminho para a Transformação


DESAPEGO: Caminho para a Transformação

Nice Ribeiro

O maior exemplo de desapego vem das abelhas. Após construírem a colméia, abandonam-na. E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento. Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado sem preocupação com o destino que terá. Batem asas para a próxima morada sem olhar para trás.
Na VIDA DAS ABELHAS temos uma grande lição. Em geral O homem constrói para si, pensa no valor da Propriedade, tem ambição de conseguir mais bens, sofre e briga quando na iminência de perder o que "lutou" para adquirir.
"Onde estiver nosso coração, ali estarão nossos tesouros..." Assim, não pode haver paz uma vez que pensamentos e sentimentos formem uma tela prendendo o ser ao que ele julga sua propriedade. Essa teia não o deixa alçar vôo para novas moradas. E tal impedimento ocorre em vida ou mesmo após a morte, quando um simples pensamento como "Para quem vai ficar a minha casa?" é capaz de retê-lo em uma etapa que já podia estar superada. Ele fica aprisionado a um plano denso, perde oportunidades de experiências superiores.
Para o homem, tirar a vida de animais e usá-los como alimento é normal. Derrubar árvores para fazer conservas de seu miolo, também. Costuma comprar o que está pronto e adquirir mais do que necessita. Mas as abelhas fabricam o próprio alimento sem nada destruir e, ainda, doam a maior parte dele.
A lição das abelhas vem do seu espírito de doação. Num ato incomum de desapego, abandonam tudo o que levaram a vida para construir. Simplesmente o soltam, sem preocupação se vai para um ou para outro. Deixam o melhor que têm, seja para quem for - o que é muito diferente de doar o que não tem valor ou de dirigir a doação para alguém da nossa preferência.
Se queremos ser livres, se queremos parar de sofrer pelo que temos e pelo que não temos, devemos abrigar em nós um único desejo: o de nos transformar. O exercício é ter sempre em mente que nada nem ninguém nos pertence, que não viemos ao mundo para possuir coisas ou pessoas, e que devemos soltá-las. Assim, quando alguém ou algo tem de sair de nossa vida, não alimentamos a ilusão da perda. Adquirimos visão mais ampla.
O sofrimento vem quando nos fixamos a algo ou a alguém. O apego embaça o que deveria estar claro: por trás de uma pretensa perda está o ensinamento de que algo melhor para nosso crescimento precisa entrar. E se não abrimos mão do velho, como pode haver espaço para o novo?
Fonte: Boletim de SINAIS - nº 6 - Figueira

sábado, 5 de junho de 2010

O segredo da Beleza



Quando pediram para Audrey Hepburn, considerada a atriz mais bela da história de Hollywood, que revelasse seus segredos de beleza, ela respondeu:

"Para ter lábios atraentes, diga palavras doces; para ter olhos belos, procure ver o lado bom das pessoas; para ter um corpo esguio, divida sua comida com os famintos; para ter cabelos bonitos, deixe uma criança passar seus dedos por eles pelo menos uma vez por dia; para ter boa postura, caminhe com a certeza de que nunca andará sozinho; pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas;lembre-se que, se alguma vez precisar de uma mão amiga, você a encontrará no final do seu braço. Ao ficarmos mais velhos, descobrimos porque temos duas mãos, uma para ajudar a nós mesmos, a outra para ajudar o próximo; a beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, nem no corpo que ela carrega, ou na forma como penteia o cabelo. A beleza de uma mulher deve ser vista nos seus olhos, porque esta é a porta para seu coração, o lugar onde o amor reside!"

Audrey Hepburn

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Ah, este bolo está uma delícia!



O amor é muito raro. Tocar o cerne de uma pessoa é enfrentar uma revolução, pois, se você quiser tocar uma pessoa em sua essência, terá de deixar que essa pessoa toque a sua essência também. Você terá que ficar vulnerável, absolutamente vulnerável, aberto.
É um risco. Deixar que alguém toque a sua essência é arriscado, perigoso, porque você nunca sabe o que essa pessoa fará com você.
E depois que todos os seus segredos forem devassados, depois que tudo o que você esconde for descoberto, depois que você estiver completamente exposto, o que a outra pessoa vai fazer nunca se sabe. O medo aparece. É por isso que nunca nos abrimos.
Basta que haja familiaridade para que você ache que o amor aconteceu. Periferias se encontram e achamos que nos encontramos. Você não é a sua periferia. Na verdade, a periferia é a fronteira onde você termina, só a cerca ao seu redor. Não é você! A periferia é o lugar onde você termina e o mundo começa.
Mesmo casais que vivem juntos há muitos anos podem ser meros conhecidos. Podem não se conhecer de verdade. E quanto mais você vive com uma pessoa mais esquece que a essência continua intocada.
Então a primeira coisa a ser entendida é: não confunda familiaridade com amor. (...)
Existem dois tipos de vida: uma norteada pelo medo e a outra norteada pelo amor. A primeira talvez nunca o conduza a um relacionamento profundo. Você vive com medo, e o outro não tem permissão, não tem aval para chegar até você, para tocar a sua essência. Você dá essa permissão ao outro até certo ponto, mas depois disso uma parede se ergue e a coisa para ali.
A pessoa norteada pelo amor é aquela que não tem medo do futuro, não tem medo do resultado ou da consequência; ela vive aqui e agora. Não se preocupa com o resultado; quem se preocupa é a mente norteada pelo medo. Não pensa no que vai acontecer fora dela. Contenta-se em ficar aqui e agir de corpo inteiro. Não calcula.
O homem norteado pelo medo está sempre calculando, planejando, fazendo arranjos, garantindo. Ele perde a vida inteira fazendo isso.

Ouvi falar sobre um velho monge zen:
Ele estava em seu leito de morte. Seu último dia chegara e ele declarou que naquela noite não estaria mais ali. Então seus seguidores, discípulos e amigos começaram a vir. Havia muitas pessoas que o amavam, todas elas começaram a chegar; pessoas chegavam de todos os lugares.
Um dos seus discípulos mais antigos, quando ouviu que o Mestre ia morrer, correu para o mercado. Alguém perguntou:
— O Mestre está morrendo em sua cabana e você está indo ao mercado?
— Eu sei que meu Mestre adora um certo tipo de bolo — respondeu o discípulo. — Então estou indo comprar o bolo.
Foi difícil encontrar o bolo. Mas à noite, quando finalmente conseguiu, ele saiu correndo com a guloseima na mão.
Todo mundo estava preocupado — era como se o Mestre estivesse esperando por alguém. Ele abria os olhos, olhava em volta e os fechava novamente. Quando o discípulo chegou, ele disse:
— Bem, então você chegou. Onde está o bolo?
O discípulo mostrou o bolo, muito contente pelo mestre ter perguntado dele.
Nos estertores da morte, o mestre pegou o bolo na mão... mas a mão não tremia... Ele era muito velho, mas a mão dele não tremia. Então alguém perguntou:
— O senhor é muito idoso e está à beira da morte. O último suspiro logo o levará, mas sua mão não treme.
— Eu nunca tremo — respondeu o Mestre —, pois não existe medo. Meu corpo ficou velho, mas eu ainda sou jovem, e permaneço jovem mesmo quando o meu corpo está morrendo.
Então o Mestre deu uma mordida no bolo e começou a mastigar ruidosamente. E então alguém perguntou:
— Qual é a sua última mensagem, Mestre? O senhor nos deixará em breve. O que gostaria de nos lembrar?
O Mestre sorriu e disse:
Ah, este bolo está uma delícia!
Este é um homem que vive no aqui e agora. Este bolo está uma delícia. Mesmo a morte é irrelevante. O instante a seguir é destituído de significado. Este momento, este bolo está delicioso.
Se você consegue ficar neste momento, neste exato momento, neste presente, na plenitude, então você só pode amar.

Fonte: Osho, em "Coragem: O Prazer de Viver Perigosamente"



quinta-feira, 3 de junho de 2010

A arte de escrever


A arte de escrever
Melissa Brown


Palavras que saltam da alma...
São aquelas que brotam do coração!
A mente apenas as reconhece...
Quando rascunhadas pela mão.

Um verso é uma surpresa!
E quando nasce... é uma alegria!
Emerge das profundezas...
Da nossa imensa sabedoria.

Escrever é um milagre...
Ter um pensamento materializado.
Eis que "vê-mo-nos" nas palavras...
É um espelho do nosso estado.

Esse retrato poético
Do nosso ser mais profundo
É uma biografia inevitável
Já espalhada pelo mundo.

É uma foto de um momento singelo
Lê-se com atenção...
Algo mexe lá no fundo...
Quando a alma encontra a emoção!

Palavras- sementes...
Plantam idéias.
Palavras ao vento...
Espalham imaginação.

Algo nasce em mim...
Deve ser uma frase, pensamento ou verso?!
Alguma imaginação caótica...
Que teima existir depressa.
Que teme desaparecer da memória.

Corre, pega o lápis e papel!
Feche os olhos e sente...
Eis que vem... um presente!
Uma inspiração persistente
Que não te deixa mais ausente de ti.

E no meio das letras
Encontra um fôlego.
E aliviado, suspira...
Eis uma poesia...
E fui eu que fiz!!!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Metade


METADE

Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca Porque metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio. Que a música que ouço ao longe seja linda ainda que triste (...) Porque metade de mim é partida, a outra metade é saudade. Que as palavras que falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor Apenas respeitadas Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos Porque metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo. Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e paz que mereço Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada Porque metade de mim é o que penso, a outra metade um vulcão. Que o medo da solidão se afaste E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade não sei. Que não seja preciso mais do que uma simples alegria pra me fazer aquietar o espírito E que o seu silêncio me fale cada vez mais Porque metade de mim é abrigo, a outra metade é cansaço. Que a arte me aponte uma resposta mesmo que ela mesma não saiba E que ninguém a tente complicar, pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer. Porque metade de mim é platéia a outra metade é canção. E que a minha loucura seja perdoada porque metade de mim é amor e a outra metade também.

Oswaldo Montenegro

Equilíbrio Interior


" Equilíbrio é a habilidade de olhar
para a vida a partir de uma perspectiva clara - fazer a coisa certa no
momento certo. Uma pessoa equilibrada será capaz de apreciar a beleza e
o significado de cada situação seja ela adversa ou favorável.
Equilíbrio é a habilidade de aprender com a situação e de prosseguir
com sentimentos positivos. É estar sempre alerta, ser totalmente
focado, e ter uma visão ampla. Equilíbrio vem do entendimento,
humildade e tolerância. O mais elevado estado de equilíbrio é voar
livre de tudo e, ainda assim, manter-se firmemente enraizado na
realidade do mundo". (Brahma Kumaris)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Uma nova visão da morte


"A morte é o nosso melhor mestre espiritual. Ela nos ensina a viver, quando chega sem aviso e desafia nossos apegos. Ela nos revela a verdade sobre a impermanência e o limite do nosso livre-arbítrio. Amedronta, mas ao mesmo tempo acorda. É o melhor espelho para definir prioridades e o melhor antídoto para reduzir egos exacerbados ao seu tamanho normal. Tem gente que diz que só quer saber da vida e não da morte. Qual é a diferença? Viver é caminhar para a morte! Então ela faz parte da vida. Fugir da realidade da morte é entorpecer a vida com ilusões insanas e perder tempo com o que nunca vai preencher. Encarar a realidade da morte é encontrar urgência de viver. É saber aproveitar o momento e não adiar mais o que é importante e precisa ser feito. É sair do torpor maquinal do dia a dia e parar para sentir-se. É transformar o medo em aventura e começar a fazer perguntas sábias e ousadas. É procurar saber quem você realmente é e esperar encontrar as respostas no silêncio. E a partir daí, cair na real e viver intensamente." (A. Racily)

domingo, 25 de abril de 2010

Coração Corajoso



CORAGEM vem do latim COR, que significa "CORAÇÃO".

Portanto, entende-se que ser corajosa (o) significa viver com o C.O.R.A.ÇÃ.O.

"O caminho do CORAÇÃO é o caminho da CORAGEM."

Se o seu caminho tem um coração, é um bom caminho... Quando agimos com amor, colocamos nossa alma em nossas atitudes e tudo flui em perfeita harmonia.
O medo nos aprisiona e impede a plenitude da vida. Então vamos colocar muito amor, sabedoria e coragem em cada gesto do nosso dia!

"Meu coração é corajoso...
Pois se abriu para o mundo...
Meu desejo é profundo...
Só quero voar...além do mar...
O amor é meu guia... de noite e de dia...
Que bela é a harmonia de ter alegria...
O Bem contagia...
Não há nada a temer
A coração sabe o que faz! "

Beijos da Gabi

;D

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Lenda Oriental


Conta uma popular lenda do Oriente que um jovem chegou à beira de um oásis junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe: - “Que tipo de pessoa vive neste lugar? - “Que tipo de pessoa vivia no lugar de onde você vem?” – perguntou por sua vez o ancião. - “Oh, um grupo de egoístas e malvados – replicou o rapaz. Estou satisfeito por ter saído de lá.” A isso o velho replicou: - “A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui.” No mesmo dia um outro jovem se acercou do Oásis para beber água e, vendo o ancião, perguntou-lhe: - “Que tipo de pessoa vive por aqui?” O velho respondeu com a mesma pergunta: - Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem? O rapaz respondeu: - “Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por tê-las deixado”. - “O mesmo encontrarás por aqui”- respondeu o ancião. Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho : - “Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta? Ao que o velho respondeu: - “Cada um carrega em seu coração o meio ambiente em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui, porque, na verdade, a nossa atitude mental é a única coisa em nossa vida sobre a qual podemos manter controle absoluto”. - Moral da história: a responsabilidade pela vida que levamos é inteiramente nossa, nós fazemos o meio em que queremos viver, as pessoas que queremos conviver…….as escolhas são únicas e exclusivamente nossas. Que tipo de escolha você está fazendo neste momento????